Chapa de Lira para Presidência da Câmara reúne Centrão, PT e PL – Poder360

  1. Chapa de Lira para Presidência da Câmara reúne Centrão, PT e PL  Poder360
  2. Análise: Arthur Lira busca reeleição com apoio do PL e do PT | WW  CNN Brasil
  3. Deputados elegem presidente da Câmara em 1º de fevereiro  R7
  4. Veja a minissérie ‘Os Donos do Poder’  Valor Econômico
  5. Ver cobertura completa no Google Notícias
Home » Chapa de Lira para Presidência da Câmara reúne Centrão, PT e PL – Poder360

A chapa pela reeleição do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), reunirá PT e PL, as duas maiores bancadas da Casa, além de Republicanos, União Brasil, MDB e PSD. O atual presidente é o favorito na disputa e tem como único adversário o deputado Chico Alencar (Psol-RJ).

A eleição pelo comando da Câmara será na 4ª feira (1º.fev.2023). As negociações dos cargos na mesa diretora incluíram um acordo entre o Republicanos e o PL que também envolveu a eleição no Senado. A 1ª vice-presidência ficará com Marcos Pereira, presidente nacional do Republicanos. A 2ª vice-presidência será de Sóstenes Cavalcante (PL-RJ).

O partido do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) abriu mão da 1ª vice-presidência, apesar de ter a maior bancada em troca de ter o apoio da bancada do Republicanos na eleição do Senado. Na Casa Alta, o PL lançou o ex-ministro e eleito senador Rogério Marinho (RN).

Para os cargos de 1ª e 2ª secretarias, a chapa de Lira terá, respectivamente, Luciano Bivar, presidente do União Brasil, e Maria do Rosário (PT-RS). Os cargos de 3ª e 4ª devem ficar com deputados do PSD e MDB, ainda a ser definidos.

Nas últimas semanas, o atual presidente da Câmara intensificou as agendas na residência oficial e realizou uma série de reuniões com deputados de bancadas estaduais e temáticas, com a participação de alguns governadores. Com o slogan “Compromisso com o Brasil”, promoveu cafés da manhã, almoços e jantares de relacionamento e articulação.

Na 5ª feira (26.jan), recebeu políticos do Rio de Janeiro, Pará e São Paulo. O governador paulista, Tarcísio de Freitas (Republicanos-SP), e os deputados federais eleitos pelo Estado jantaram na residência oficial de Lira. Os ministros Alexandre Padilha (Relações Institucionais) e Flávio Dino (Justiça e Segurança Pública) compareceram.

A vitória de Lira é dada como certa por aliados. Ele reuniu apoios de 20 partidos, a maioria anunciados ainda em 2022. Por último, conquistou o Avante, que até então era dúvida. O presidente da Câmara busca uma vitória expressiva para aumentar sua vantagem na negociação de projetos com o governo.

Conforme o Poder360 mostrou, Lira cogita cruzar os braços para pautas do governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no dia seguinte à eleição para o comando da Casa.

Não haverá ato hostil contra o Executivo, mas a intenção de Lira é mostrar ao Planalto que precisará ceder espaço a uma indicação de seu grupo político na Esplanada dos Ministérios para assegurar votos do Centrão.

Para ter a força que deseja junto ao governo petista, Lira precisa de uma vitória significativa na Câmara. Aliados contam que o deputado deve ter mais de 400 votos, dos 513 possíveis, para ser reconduzido ao cargo.

O atual presidente da Casa não tem contido esforços para aumentar ainda mais sua popularidade e influência sobre seus pares. Como mostrou o Poder360, Lira distribuiu 263 cargos a mais para partidos aliados por conta de uma mudança nas regras de cargos em lideranças partidárias.

Também aumentou o valor do complemento do auxílio-moradia dos congressistas de R$ 1.747 para R$4.148,80.

PRESIDÊNCIA DA CÂMARA

Em 2021, Lira foi eleito presidente da Casa com 302 votos. Na época, seu principal adversário era Baleia Rossi (MDB-SP), que recebeu 145 votos. Neste ano, Lira concorrerá contra Chico Alencar, do Psol.

No comando da Casa, o congressista foi aliado do governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e fez campanha por sua reeleição. Passado o pleito, que elegeu Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Lira foi uma das primeiras personalidades políticas a reconhecer a vitória do petista.

Em novembro de 2022, o PT de Lula, os partidos de sua federação (PC do B e PV) e o PSB formalizaram apoio à reeleição de Lira por mais 2 anos no comando da Câmara.

O acordo de Lula envolvia não ter um candidato na Câmara disputando com o deputado alagoano para que também fosse viabilizada a reeleição de Rodrigo Pacheco (PSD-MG) no Senado.

Apesar disso, como o Poder360 mostrou, o PP, partido de Lira, deve apoiar Marinho no Senado. Um dos que encabeçam as articulações com o PL é o senador Ciro Nogueira, presidente do PP.

Source: news.google.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *