Biden telefona para Lula: a reação de líderes mundiais às invasões em Brasília – BBC News Brasil

  1. Biden telefona para Lula: a reação de líderes mundiais às invasões em Brasília  BBC News Brasil
  2. Biden liga para Lula no dia seguinte aos ataques contra as sedes dos três poderes  Globo.com
  3. Biden critica ato terrorista no DF e marca encontro com Lula em fevereiro  UOL Confere
  4. Lula sobre telefonema com Clinton e presidente cubano: “Solidariedade”  Correio Braziliense
  5. Biden e Lula falam por telefone e condenam ataques a instituições em Brasília  Globo.com
  6. Ver cobertura completa no Google Notícias
Home » Biden telefona para Lula: a reação de líderes mundiais às invasões em Brasília – BBC News Brasil

Sombra de policial diante de vidraça estourada

Crédito, Reuters

As ações de bolsonaristas em Brasília no domingo (8) tiveram repercussão mundial — e foram repudiadas por representantes de vários países e organismos internacionais.

Um deles foi o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que telefonou para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nesta segunda-feira.

Segundo uma nota do governo federal, “o presidente Biden transmitiu o apoio incondicional dos Estados Unidos à democracia do Brasil e à vontade do povo brasileiro, expressa nas últimas eleições do Brasil”.

“O presidente Biden condenou a violência e o ataque às instituições democráticas e à transferência pacífica do poder”, declarou a gestão petista.

De acordo com a nota divulgada na noite desta segunda-feira, Biden convidou Lula para visitar Washington em fevereiro. Ambos “comprometeram-se a trabalhar juntos em temas enfrentados pelo Brasil e pelos EUA, entre os quais mudança do clima, desenvolvimento econômico, paz e segurança”, declarou a Presidência da República.

Além do presidente americano, a invasão e a depredação de prédios públicos, como o Palácio do Planalto, o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Congresso Nacional, geraram manifestações de diversos líderes mundiais.

Confira a seguir um resumo das principais postagens divulgadas por representantes estrangeiros nas últimas horas.

Estados Unidos

No domingo, o próprio Joe Biden declarou no Twitter que “condena o ataque à democracia e à transferência pacífica de poder no Brasil”.

“As instituições democráticas do Brasil têm nosso apoio total e a vontade do povo brasileiro não deve ser minada”, escreveu.

Ainda nos EUA, vários congressistas do Partido Democrata pediram a expulsão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), que está na Flórida desde 31 de dezembro.

“Nós devemos nos solidarizar com o governo democraticamente eleito de Lula. Os Estados Unidos devem parar de conceder refúgio a Bolsonaro na Flórida”, afirmou Alexandria Ocasio-Cortez, deputada por Nova York.

Rússia

Dimitry Peskov, porta-voz do governo russo, disse que o Kremlin condena “de forma veemente” o que aconteceu em Brasília.

O representante ainda assegurou que a Rússia apoia o presidente Lula.

Reino Unido

O primeiro-ministro Rishi Sunak escreveu no Twitter que “condena qualquer tentativa de minar a transferência de poder pacífica e a vontade democrática do povo do Brasil”.

“O presidente Lula e o governo dele têm o apoio total do Reino Unido e espero fortalecer os laços estreitos entre nossos países nos próximos anos.”

França

O presidente da França, Emmanuel Macron, postou uma declaração em francês e em português nas redes sociais.

Ele afirmou que “a vontade do povo brasileiro e das instituições democráticas deve ser respeitada”.

“O presidente Lula pode contar com o apoio incondicional da França.”

Portugal

Augusto Santos Silva, presidente da Assembleia da República de Portugal, disse querer “exprimir o mais veemente repúdio pelo ataque ao Congresso do Brasil”.

“Toda a solidariedade às instituições democráticas brasileiras e, em particular, ao Senado e à Câmara dos Representantes”, disse.

O presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, emitiu uma nota em que afirma ter conversado por telefone com Lula logo após a invasão.

“Esses atos, além de inconstitucionais e ilegais, são inadmissíveis e intoleráveis na democracia, reforçando o apoio e a total solidariedade de Portugal para com o poder legitimamente eleito no Brasil.”

Itália

A primeira-ministra Giorgia Meloni também expressou preocupação com a invasão de Brasília.

“O que está acontecendo no Brasil não pode nos deixar indiferentes. As imagens da irrupção nos gabinetes institucionais são inaceitáveis e incompatíveis com qualquer forma de dissidência democrática”, escreveu no Twitter.

“O retorno à normalidade é urgente e nos solidarizamos com as instituições brasileiras”, completou.

China

O porta-voz do Ministério de Negócios Estrangeiros chinês, Wang Wenbin, afirmou numa entrevista coletiva nesta segunda (9) que o país se opõe ao que aconteceu em Brasília.

“A China está acompanhando a situação cuidadosamente e se opõe firmemente ao violento ataque contra as autoridades federais ocorrido no Brasil”, disse.

Além disso, Wenbin disse que o governo chinês “apoia as medidas tomadas pelo governo brasileiro para acalmar a situação, restaurar a ordem social e preservar a estabilidade nacional”.

América Latina

Alberto Fernandez, presidente da Argentina, escreveu que “a democracia é o único sistema político que garante liberdades e nos obriga a respeitar o veredicto popular”.

“Quero expressar meu repúdio ao que está acontecendo em Brasília. [Declaro] meu apoio e o apoio do povo argentino a Lula diante dessa tentativa de golpe de Estado que está enfrentando”, escreveu.

Fernandez também afirmou que, como presidente do Mercosul, colocará em alerta os países-membros do bloco. Ele disse que o objetivo é “união diante dessa inaceitável reação antidemocrática que tenta se impor no Brasil”.

Gustavo Petro, presidente da Colômbia, prestou “toda solidariedade a Lula e ao povo brasileiro”

“A direita não conseguiu manter o pacto de não violência. É hora urgente de reunir a OEA [Organização dos Estados Americanos] se ela quiser seguir viva como instituição para aplicar a carta democrática”, pontuou.

O presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, compartilhou uma nota oficial do Ministério de Relações Exteriores do país, e disse “lamentar e condenar as ações que ocorreram no Brasil que atentam contra a democracia e as instituições”.

Nações Unidas

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, António Guterres, escreveu que condena “os ataques às instituições democráticas brasileiras”.

“A vontade do povo brasileiro e das instituições do país devem ser respeitadas.”

“Estou confiante que isso vai acontecer. O Brasil é um grande país democrático”, concluiu.

Confira o antes e depois dos prédios públicos vandalizados

Edifício do Congresso Nacional em março de 2020 e em 8 de janeiro de 2023, tomado por bolsonaristas vestidos de verde e amarelo
Plenário do STF em agosto de 2021, com seu auditório de cadeiras beges, e as mesmas cadeiras destruídas em 8 de janeiro de 2023
Ambiente interno do edífício do STF em agosto de 2021 e com móveis destruídos em 8 de janeiro de 2023

Source: news.google.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *