3 deputados eleitos não tomam posse na Câmara nesta 4ª feira – Poder360

  1. 3 deputados eleitos não tomam posse na Câmara nesta 4ª feira  Poder360
  2. Deputados eleitos tomam posse no plenário da Câmara  Globo
  3. Deputados tomam posse com manifestações contra e a favor do governo Lula  Gazeta do Povo
  4. Saiba quais serão os desafios dos próximos deputados gaúchos  Correio do Povo
  5. Com quase 42% de renovação, Aleam retoma trabalhos nesta quarta-feira  Globo
  6. Ver cobertura completa no Google Notícias
Home » 3 deputados eleitos não tomam posse na Câmara nesta 4ª feira – Poder360

Congressistas não assumiram os cargos por decisões judiciais ou renúncia; mudança impactou no número de mulheres na Casa

A bancada empossada nesta 4ª feira (1º.fev.2023) na Câmara dos Deputados teve 3 alterações em relação aos deputados eleitos em 2 de outubro de 2022. As mudanças se deram por decisões judiciais ou por renúncia do congressista.

Em 2 casos as posses foram impedidas por determinação da Justiça. O deputado Bibo Nunes (PL-RS) substituiu Marlon Santos (PL-RS), que havia sido considerado eleito. Já João Daniel (PT-SE) assumiu o lugar do Delegado Andre David (Republicanos-SE).

A 3ª alteração se deveu à renúncia da deputada Rejane Dias (PT-PI), que assumiu cargo de conselheira do TCEPI (Tribunal de Contas do Estado do Piauí), dando lugar ao 1º suplente da federação PT-PV-PCdoB, Merlong Solano (PT-PI).

Com a renúncia de Rejane, a bancada feminina caiu de 91 integrantes para 90 –a maior da história da Câmara dos Deputados, correspondendo a 17% dos integrantes da Casa. Ainda assim, é um número pequeno em comparação com a proporção de mulheres na população brasileira (51.1%).

Veja como foi a posse na Câmara dos Deputados (2h16min55s):

ALTERAÇÃO DESFEITA

Entre a eleição e a posse, houve uma 4ª alteração, que foi desfeita. Pablo Marçal (Pros-SP) foi declarado eleito pelo TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) depois da divulgação do resultado, assumindo o lugar de Paulo Teixeira (PT).

Essa alteração foi desfeita pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Marçal havia concorrido com o registro da candidatura sub judice, por não ter apresentado os documentos no prazo legal.


Com informações da Agência Câmara de Notícias

Source: news.google.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *